As três primeiras revoluções industriais trouxeram a produção em massa, as linhas de montagem, a eletricidade e a tecnologia da informação, elevando a renda dos trabalhadores e fazendo da competição tecnológica o cerne do desenvolvimento econômico. A quarta revolução industrial, que terá um impacto mais profundo e exponencial, se caracteriza, por um conjunto de tecnologias que permitem a fusão do mundo físico, digital e biológico. Em 2018, trouxemos a Indústria 4.0 e as tecnologias que estão construindo essa nova forma de produzir para dentro da MEC Show.

Em sua terceira edição, a Ilha da Inovação trouxe casos e exemplos das novas formas e modelos de trabalho que estão transformando a indústria em todo o mundo, exposição de protótipos e simuladores interativos, além de startups do setor que contaram com projetos ligados à pesquisa e desenvolvimento de produtos e soluções inovadoras para o segmento metalmecânico. Além da área expositiva, o espaço também recebeu com palestras e workshops.

Grand Prix

O Grand Prix Senai de Inovação trouxe ações voltadas à inovação, produtividade e competitividade das indústrias de metalmecânica e construção. Durante os três dias de evento, alunos, instrutores e consultores do Senai-ES, além de startups capixabas, desenvolveram soluções para um dos maiores gargalos enfrentados pelas empresas: a logística.

Foram propostas três situações-problema relacionadas ao tema para cada um dos segmentos industriais, e as quatro escuderias concorrentes tiveram 12 horas, ao todo, para projetar ideias que ajudem a reduzir desperdícios e aumentar a eficiência nas indústrias. De acordo com a gerente da Divisão de Tecnologia e Inovação do Sistema Findes, Juliana Gavini, as ideias geradas pelas equipes tiveram aplicabilidade nas empresas e ajudaram, de fato, nos produtos e processos do mercado.

O projeto de um equipamento que consegue monitorar as atividades dos trabalhadores nas obras de construção civil, que armazena o tipo de tarefa e qual colaborador irá executa-la e em quanto tempo. Esse foi o grande vencedor do Grand Prix, desenvolvido pela equipe Dersalis, formada por alunos do Senai-ES, integrantes de startups e alunos da Faesa.

“A nossa solução monitora a agilidade e o desenvolvimento de um trabalhador dentro de um canteiro de obra. Assim, podemos acompanhar como as atividades estão sendo desenvolvidas e quais medidas podem ser adotadas pelos gestores para que elas aconteçam no tempo planejado”, explicou Pedro Guizardi, CEO e cofundador da Dersalis.

Lean Game

Empresários e gestores participaram de um jogo de tabuleiro que simulava o funcionamento do chão de fábrica de uma empresa, para aplicarem conceitos de produtividade enxuta para otimizar os resultados e aumentar a eficiência do negócio.

O objetivo da metodologia foi possibilitar a vivência dos participantes com o conceito de lean manufacturing e de lean office, estimulando e desmistificando sua aplicação na rotina das empresas.

Edital de Inovação

Ferramentas para incentivo à inovação, como fundos destinados ao investimento em ideias com potencial de gerar resultados, são fundamentais para estimular o surgimento de novas soluções. É o caso do Edital de Inovação da Indústria, iniciativa do Senai, Sesi e Sebrae, e que vai investir, na edição 2018, até R$ 55 milhões para o desenvolvimento de projetos em empresas industriais de todos os portes, incluindo startups de base tecnológica. Durante toda a feira, consultores especializados apoiaram empreendedores no processo de submeterem suas ideias ao Edital.

Palestras e painéis

Além de toda a programação prática, o Senai e o Sesi também oferecem uma rica programação de apresentações e palestras para os empresários, gestores e colaboradores. Os temas, sempre relacionados à melhora do ambiente de negócios, fomento à inovação e indústria 4.0, foram escolhidos para atender ao perfil do público que frequenta o evento.

A gerente da Divisão de Tecnologia e Inovação do Sistema Findes, Juliana Gavini, falou sobre Industria 4.0 e ressaltou que o Brasil precisa estar preparado para os desafios do futuro. “Há grandes desafios para a indústria brasileira, que enfrentou adversidades recentemente. Porém, os dados apontam a quarta revolução industrial como uma oportunidade de desenvolvimento”, destacou Gavini.

Segundo Gavini, a filosofia Lean e suas ideias de eliminar desperdícios, aumentar a produtividade por meio de processos ágeis e flexíveis e implementar melhorias contínuas é um dos principais passos para a Indústria 4.0. “A Indústria 4.0 é uma nova etapa histórica da revolução industrial e que já está acontecendo. A Manufatura Enxuta é uma técnica de gestão, que compreende também os conceitos de sustentabilidade, eficiência e melhoria contínua da produtividade e qualidade”, explicou.

Para que as indústrias do Espírito Santo iniciem a transição para as práticas da quarta revolução industrial, alcançando o máximo de seu potencial e elevando a sua competitividade, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-ES) está implementando o programa ES Mais Produtivo, ressaltou a gerente.

O programa

Melhorar os processos produtivos por meio de ações rápidas, eficientes e de baixo custo. Essa é a missão do “ES Mais Produtivo”, uma iniciativa do Senai Espírito Santo, que amplia as ações do programa do governo federal: “Brasil Mais Produtivo”, contribuindo para o processo de produção das empresas.

Por meio dele, é possível construir soluções a curto prazo e com resultados expressivos na operacionalização do processo produtivo e diminuição dos desperdícios.

Pelo menos 35 fábricas já foram atendidas pelo programa em todo o Espírito Santo, alcançando um aumento médio de 123,7% da produtividade dentro do processo onde foi aplicado a técnica de lean manufacturing.

Se interessou no ES Mais Produtivo?

Empresas de micro, pequeno e médio porte podem se inscrever para participar do programa e implementar ferramentas de produção enxuta em seus processos produtivos. O programa realiza uma consultoria na empresa para elaboração de diagnóstico de processos, propostas de melhorias para obter ganhos de produtividade, diminuição no custo de produção e monitoramento de resultados. O objetivo é reduzir diversos tipos de desperdícios, como: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, movimento e defeitos.

Clique aqui e preencha o formulário de interesse para implementar o lean na sua empresa também.

 

Por Cinthia Pimentel

Comentários do Facebook