Mais de 35 fábricas receberam ações do programa até agora e tiveram um retorno financeiro em média de R$11.683,04, por mês

Técnico em EdificaçõesAs empresas que tiveram atendimento concluído até agora pelo Programa ES Mais Produtivo, em todo o Estado, tiveram um aumento médio de 123,7% da produtividade.

Os resultados acumulados mostram o sucesso da iniciativa, cuja meta inicial era aumentar em 20% a produtividade das indústrias com a promoção de melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto.

Segundo o gerente de Produtividade da Findes, Álvaro Diaz, 35 atendimentos já foram concluídos dos setores de:  alimentos, cerâmico, confecção, gráfico, madeireiro, metalomecânico, plástico, químico e reparação.

“As empresas atendidas reduziram, em média, 62% o deslocamento desnecessário por meio da reorganização de processos e layouts, priorizando as atividades que agregam valor. Elas também tiveram índices de redução de rejeitos e descarte de materiais decorrentes de falhas de processamento durante o processo de fabricação. Além da redução da movimentação do trabalho e do retrabalho, os resultados preliminares evidenciam o baixo tempo de retorno do valor investido, cuja média está em um mês”, ressalta.

Empresas reconhecem que a gestão lean é essencial na crise econômica

Nos últimos anos, após fortes períodos de recessão, as empresas estão investindo em projetos de melhoria de processos e adotando novas ferramentas de gestão. “Elas precisavam se adequar à queda na produção, ao aumento de custos, mas, principalmente, se preparar para a retomada do crescimento”, explica Álvaro.

Esse é o caso do sistema Lean Manufacturing, nome que se dá ao Sistema Toyota de Produção, que se baseia numa abordagem sistemática para identificar e eliminar o desperdício (aquilo que não agrega valor) através da melhoria contínua, buscando qualidade total.

“Com a crise econômica, muitas empresas perceberam que isso não é mais uma opção. Consegue-se ir além das iniciativas pontuais de redução de custos, tornando-as não simplesmente um esforço conjuntural, mas um tipo de pensamento permanente e que envolve a todos, o tempo todo. Sem fazer investimentos ou adicionar mais recursos, pois a mudança é de gestão, mudando a maneira de fazer as coisas. ”

Estudos da McKinsey mostraram que, nos próximos 50 anos, os ganhos de produtividade terão que impulsionar praticamente todo o crescimento econômico. “Os estudos também apontam que se o Brasil puder fechar apenas 10% da diferença de produtividade em relação aos Estados Unidos, aumentaria o PIB industrial em US $ 217 bilhões, ou 7% do PIB, nos próximos 13 anos”, comenta o gerente.

Brasil Mais Produtivo

O Brasil Mais Produtivo (B+P) é um programa do governo federal, coordenado pelo MDIC e realizado pelo Senai, ABDI e Apex-Brasil, em parceria com o Sebrae e apoio do BNDES. O B+P visa aumentar a produtividade em processos produtivos de empresas industriais, com a promoção de melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto. Em 2018, o programa vai atender um total de 300 empresas, e para 2019 está previsto o atendimento de outras 300, com a possibilidade de formação de cadastro de reserva.

Só no Espírito Santo, 26 empresas participaram do programa em 2017 e tiveram em média um aumento de produtividade de 85%, 35% a mais que a média nacional. O retorno financeiro das empresas participantes foi de R$6.700,00 em média, por mês, já no país a média foi de R$4.500,00.

Inscreva sua empresa no ES Mais Produtivo

Empresas de micro e pequeno porte podem se inscrever para participar do programa e implementar ferramentas de produção enxuta em seus processos produtivos. Para se candidatar a uma das vagas do programa, um responsável pela empresa deve preencher o formulário de interesse e uma equipe do Senai entrará em contato.

O programa realiza uma consultoria na empresa para elaboração de diagnóstico de processos, propostas de melhorias para obter ganhos de produtividade, diminuição no custo de produção e monitoramento de resultados. O objetivo é reduzir diversos tipos de desperdícios, como: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, movimento e defeitos.

O total investido em cada micro e pequena empresa é de R$ 18 mil reais – destes, R$ 15 mil subsidiados pelo Sebrae-ES, ficando na responsabilidade da empresa, o pagamento de R$ 3 mil, que podem ser parcelados no cartão ou cheque.

Como se qualificar no Lean?

MBA Executivo em Lean Manufacturing

Visando apoiar empresas e gestores, o Senai-ES, em parceria com o SENAI-BA, está com inscrições abertas para a primeira turma de MBA Executivo em Lean Manufacturing, que visa formar profissionais qualificados para atuar na Gestão Industrial, aplicando a manufatura enxuta como ferramenta operacional para ampliação de resultados e lucros. O curso será realizado, preferencialmente, nos fins de semanas e nas instalações do SENAI, em Vitória, com início das aulas previsto para o segundo semestre deste ano. Se interessou? Preencha o formulário de interesse e, em breve, entraremos em contato.

Quer implementar o lean na sua empresa também? Entre em contato conosco pelo e-mail [email protected]

 

Saiba mais

Lean Manufacturing: o que é e como funciona?

Onde está o desperdício? Conheça os 8 tipos mais comuns nas empresas

Por que a valorização da força de trabalho é indispensável para o Lean?

Lean manufacturing: conheça o segundo passo para uma efetiva eliminação dos desperdícios

 

Por Cinthia Pimentel

Comentários do Facebook